Renata Lasso – Autobiografia

Natural de São Jose do Rio preto, minha família mudou-se para Americana quando eu tinha 2 anos. Filha de mãe professora e pai funcionário público municipal não tínhamos muitos recursos, mas os valores foram para mim passados e sou muito grata por isso. Sempre estudei em escola pública e apenas no colegial fui para a particular.

Comecei minha carreira na área de informática como técnica em processamentos de dados e depois atuei em agências de publicidade e estagiei em um escritório de contabilidade, já trabalhei com vendas. Em 97 dei início a mais uma mudança, mas aí já estava com uma bebê de 6 meses e comecei um curso básico de corte de cabelo pela igreja batista, onde a minha professora era formada pelo Senac e fez toda a diferença na minha vida.

Quando terminei o curso após um ano, estava esperando meu segundo filho. Fui estagiar em um salão de cabeleireiro por 6 meses apenas para adquirir prática, sem ganhos financeiros nenhum, mas sou eternamente grata pela oportunidade que tive. E daí em diante começou uma longa jornada que atualmente completa 18 anos de profissão.

No início para buscar conhecimento, pois sabia que seria meu único diferencial, comecei mais uma jornada. Quando meu filho tinha 2 meses já estava eu nos cursos da Danny Cosméticos com ele a tira colo pois como amamentava não havia a possibilidade de deixá-lo com ninguém mas precisava trabalhar e isso não foi barreira para o meu desenvolvimento.

Por volta do ano de 2002 tive a oportunidade de ser técnica de uma marca internacional, mas como o distribuidor estava começando em Campinas iniciei sem ganhos fixos, obtinha apenas descontos na compra dos produtos que já utilizava no meu próprio negócio. Posso falar que praticamente sou uma empreendedora nata, pois não tenho nenhum registro em carteira.

Em 2005 fiz minha primeira atualização internacional em Buenos Aires na Argentina, abri uma distribuição da marca aqui em Americana com uma sócia atuando assim com a transferência desse aprendizado adquirido, pois sempre acreditei que quando ensinamos reafirmamos o que sabemos e uma outra coisa que acredito e digo é “de que adianta um bom livro fechado em uma biblioteca?”, o conhecimento tem que ser compartilhado.

Tive acesso a esta palavra “coaching”, que a princípio li ao pé da letra em 2010 quando fiz o Empretec pelo SEBRAE. Ali identifiquei pontos a serem desenvolvidos e foi onde iniciou-se uma nova etapa de desenvolvimento.

Em 2010 fui para mais uma especialização em cortes na Academia L´ongueras e em 2011 também em Buenos Aires na academia Pivot Point.

2011 foi um ano desafiador e ao mesmo tempo incrível pelas experiencias adquiridas, viajei Brasil afora como técnica de uma marca de produtos de São Paulo e onde o foco maior de distribuição era a região nordeste.

Em 2012 comecei a fazer faculdade de Gestão de RH à distância pois tempo era um recurso escasso para mim pela quantidade de horas que trabalhava, de 10 a 12 horas/dia. Foi neste mesmo ano que fiquei doente e impossibilitada de pegar uma caixa de sapato, com uma inflamação gigante nos braços por adquirir uma tendinite e uma lesão nas cervical, e impossibilitada de trabalhar e com um sentimento de invalidez, passei por um período extremamente caótico, fui ao fundo do poço em todos os sentidos,  foi em um momento de maior dor e desespero e pelo fato de tudo que eu já havia pesquisado sobre o coaching vi que eu precisava decidir pois sabia que seria minha única chance naquele momento de mudar a minha história e sair da condição que estava.

Realmente minha primeira formação pela Sociedade Brasileira de Coaching foi em 2012 e foi um divisor de águas em minha vida. Ali descobri o meu propósito de vida, ressignifiquei muitas coisas e assumi o controle da minha vida. Se não tivesse experimentado do caos e buscado uma conexão maior com Deus eu não estaria aqui e não teria realizado tudo que estou realizando em minha vida.

Em 2016 fiz minha segunda especialização o Executive Coaching e agora em 2017 o treinamento Maximum Achievement do Brian Tracy e atuando nas duas áreas como empresária / empreendedora, cabeleireira, coach e mãe. E não para por aí…

Em 2015 comecei um projeto que está em andamento para contribuir com o desenvolvimento do setor da beleza para que outros profissionais não passassem pelo que eu passei já que essa profissão sobrecarrega o corpo pelos movimentos repetitivos como outras profissões também.  Você pode acessar o projeto Gestão de Salão e conhecer um pouquinho mais de perto.

Mas o grande X da questão é, o nosso corpo dá sinais e que na maioria das vezes ignoramos tais sinais e com o tempo tudo se agrava. O mesmo ocorre nas empresas e nos relacionamentos. Temos sinais constantes, mas na maioria das vezes ignoramos por falta de conhecimento e percepção necessária e de repente as coisas acontecem, ficamos doente, separamos, falimos, etc. Na verdade, nada foi “de repente”. A falta de conhecimento e falta de clareza gera indecisão, ansiedade e faz com que não tomemos ações, e ainda muitas vezes, esquecemos que a não ação é uma ação.

Renata Lasso